A semana da Haute Couture parisiense verão/18

Share

A edição da Haute Couture do verão 2018 em Paris, foi uma semana marcada pela beleza engajada, sutil, exuberante, acompanhada de laços, plumas e cores fortes em combinações insólitas – um grande momento de criatividade. Selecionei algumas imagens de desfiles das marcas que as brasileiras adoram.

VALENTINO – Considerado o mais emocionante dos desfiles desta estação, foi surpreendente e impressionante pela beleza, harmonia das cores em lindos vestidos, capas e mesmo calças (item raríssimo na alta-costura), acessórios com laços e chapéus deslumbrantes, em plumas e penas assinados por Philip Treacy. O clima era de extravagância, meio anos 50. Pierpaolo Piccioli, diretor criativo da marca, foi muito ovacionado ao final do desfile.

 GIVENCHY – Claire Waight Keller, diretora criativa da marca, provou, com esse primeiro desfile de alta-costura, que merece seu lugar entre os grandes de Paris na categoria. Com inspiração em um jardim noturno, ela desfilou lindos vestidos longos, casacos forrados de plumas, e um trabalho primoroso de coloridos em vestidos plissados, tudo muito chique.

CHANEL – Um desfile lindo em um cenário de jardim francês clássico, com fonte e caminhos de areia rodeados de flores, onde mulheres muito elegantes desfilavam seus looks bordados, de tweed, com laços de cetim e acessórios de cabelo floridos e com plumas, tudo para um público ávido de Chanel. Uma brisa de primavera perfumada invadiu a passarela, com vestidos e tailleurs confeccionados com o que há de melhor nos atelliers de costura franceses – tudo assinado por Karl Lagerfeld.

DIOR – O surrealismo e os sonhos de mulheres fortes foram a inspiração de Maria Grazia Chiuri para seu desfile de alta-costura da marca –  como a escritora Leonor Fini. Para completar sua inspiração, o famoso chapeleiro Stephen Jones criou máscaras para compor alguns looks, desfilados em homenagem a Peggy Guggenheim. O resultado ficou lindo, como um jogo de xadrez. Ali, vestidos em organza preto-e-branco, com modelagens precisas e diferenciadas, dando um movimento suave e superelegante aos looks.

GIAMBATTISTA VALLI – O estilista, mais uma vez, confirmou sua paixão por looks harmoniosos, sensuais e românticos, com seu desfile de alta-costura. Vestidos fluidos em cores fortes, decotados, dividiram a passarela com os famosos vestidos de cascata de tule de seda, que, nesta edição, tinham uma cauda bem mais longa, onde foram usados 350 metros de tecido. Fascinante o resultado de toda essa pesquisa e desenvolvimento de um tecido único. Bravo!

ALEXANDRE VAUTHIER – A marca fez um desfile de alta-costura com o que sabe fazer de melhor: tudo bem sexy, com vestidos curtos com laços e volumes em tules, plumas e lindas botas, tudo ultrafeminino. Na plateia, as editoras de moda francesas e internacionais, encantadas com o desfile. Sem dúvida, um grande estilista, e suas coleções ganham novos adeptos a cada coleção. Bella Hadid, sua modelo- fetiche, estava deslumbrante.

 JEAN-PAUL GAUTIER – Os desfiles de alta-costura de Gautier são sempre uma festa. Todos os amigos o prestigiam e o público, sempre eufórico em descobrir as criações do chamado “Enfant Terrible de la Mode”. Nesta edição, ele homenageou o grande Pierre Cardin, com looks coloridíssimos e gráficos, em vestidos, tailleurs com cortes impecáveis, volumes discretos e cores vibrantes. O detalhe das perucas, no clima dos anos 60, ficou bacanérrimo.

AZARRO – Depois de uma longa temporada sem fazer desfiles de alta-costura, a marca francesa, com o seu novo diretor criativo, Maxime Simoens, apresentou um lindo desfile. Maxime apostou no rejuvenescimento da marca, trazendo para a passarela looks com um clima de rock’n roll, muito brilho, vestido curto e um pouco de masculino. A imprensa aprovou seu primeiro desfile.