Tags‘Haute Couture Parisiense’

A semana da Haute Couture parisiense verão/18

Share

A edição da Haute Couture do verão 2018 em Paris, foi uma semana marcada pela beleza engajada, sutil, exuberante, acompanhada de laços, plumas e cores fortes em combinações insólitas – um grande momento de criatividade. Selecionei algumas imagens de desfiles das marcas que as brasileiras adoram.

VALENTINO – Considerado o mais emocionante dos desfiles desta estação, foi surpreendente e impressionante pela beleza, harmonia das cores em lindos vestidos, capas e mesmo calças (item raríssimo na alta-costura), acessórios com laços e chapéus deslumbrantes, em plumas e penas assinados por Philip Treacy. O clima era de extravagância, meio anos 50. Pierpaolo Piccioli, diretor criativo da marca, foi muito ovacionado ao final do desfile.

 GIVENCHY – Claire Waight Keller, diretora criativa da marca, provou, com esse primeiro desfile de alta-costura, que merece seu lugar entre os grandes de Paris na categoria. Com inspiração em um jardim noturno, ela desfilou lindos vestidos longos, casacos forrados de plumas, e um trabalho primoroso de coloridos em vestidos plissados, tudo muito chique.

CHANEL – Um desfile lindo em um cenário de jardim francês clássico, com fonte e caminhos de areia rodeados de flores, onde mulheres muito elegantes desfilavam seus looks bordados, de tweed, com laços de cetim e acessórios de cabelo floridos e com plumas, tudo para um público ávido de Chanel. Uma brisa de primavera perfumada invadiu a passarela, com vestidos e tailleurs confeccionados com o que há de melhor nos atelliers de costura franceses – tudo assinado por Karl Lagerfeld.

DIOR – O surrealismo e os sonhos de mulheres fortes foram a inspiração de Maria Grazia Chiuri para seu desfile de alta-costura da marca –  como a escritora Leonor Fini. Para completar sua inspiração, o famoso chapeleiro Stephen Jones criou máscaras para compor alguns looks, desfilados em homenagem a Peggy Guggenheim. O resultado ficou lindo, como um jogo de xadrez. Ali, vestidos em organza preto-e-branco, com modelagens precisas e diferenciadas, dando um movimento suave e superelegante aos looks.

GIAMBATTISTA VALLI – O estilista, mais uma vez, confirmou sua paixão por looks harmoniosos, sensuais e românticos, com seu desfile de alta-costura. Vestidos fluidos em cores fortes, decotados, dividiram a passarela com os famosos vestidos de cascata de tule de seda, que, nesta edição, tinham uma cauda bem mais longa, onde foram usados 350 metros de tecido. Fascinante o resultado de toda essa pesquisa e desenvolvimento de um tecido único. Bravo!

ALEXANDRE VAUTHIER – A marca fez um desfile de alta-costura com o que sabe fazer de melhor: tudo bem sexy, com vestidos curtos com laços e volumes em tules, plumas e lindas botas, tudo ultrafeminino. Na plateia, as editoras de moda francesas e internacionais, encantadas com o desfile. Sem dúvida, um grande estilista, e suas coleções ganham novos adeptos a cada coleção. Bella Hadid, sua modelo- fetiche, estava deslumbrante.

 JEAN-PAUL GAUTIER – Os desfiles de alta-costura de Gautier são sempre uma festa. Todos os amigos o prestigiam e o público, sempre eufórico em descobrir as criações do chamado “Enfant Terrible de la Mode”. Nesta edição, ele homenageou o grande Pierre Cardin, com looks coloridíssimos e gráficos, em vestidos, tailleurs com cortes impecáveis, volumes discretos e cores vibrantes. O detalhe das perucas, no clima dos anos 60, ficou bacanérrimo.

AZARRO – Depois de uma longa temporada sem fazer desfiles de alta-costura, a marca francesa, com o seu novo diretor criativo, Maxime Simoens, apresentou um lindo desfile. Maxime apostou no rejuvenescimento da marca, trazendo para a passarela looks com um clima de rock’n roll, muito brilho, vestido curto e um pouco de masculino. A imprensa aprovou seu primeiro desfile.

Os desfiles da Haute Couture parisiense

Share

A palavra de ordem na última semana da Haute Couture parisiense foi: GLAMOUR!

Moderna, clássica, atemporal e de várias outras formas os estilistas mostraram com muita elegância sua visão do luxo na  Haute Couture.

Dior
Em um grande labirinto vegetal nos jardins do Musée Rodin, Maria Grazia Chiuri, diretora artística da Maison Dior, fez desfilar fadas e princesas como em um conto: cores leves em vestidos volumosos de tule com detalhes de drapeado e bordados. Ela dedicou o desfile à editora da Vogue Itália, Franca Sozzanni, que faleceu este ano.

Chanel
Karl Lagerfeld fez um desfile bastante luxuoso para a Maison Chanel. Com vários tailleurs e lindos vestidos de festa, trabalho primoroso nas mangas volumosas, nos bordados e nas plumas, o Grand Palais em Paris se transformou em uma enorme maison de luxo.

Alexis Mabille
Um dos preferidos estilistas das editoras de moda e das parisienses, Alexis Mabille apresentou um lindo desfile de Haute Couture com uma cartela de cores surpreendente e alguns detalhes de bordados, além de muito tule em véus sobre os vestidos. A explosão de cores e as combinações inusitadas de tons lembraram a M. Saint Laurent.

Ralph & Russo
Foi um dos nomes fortes da semana da Haute Couture parisiense. Fez bonito mais uma vez, com vestidos de princesas e rainhas bordados, volumosos e luxuosos. O ápice do desfile foi a entrada da modelo brasileira Alessandra Ambrósio de noiva, muito aplaudida.

Giambatistta Valli
Este estilista italiano, preferido por várias modelos internacionais, apresentou um desfile com o que sabe fazer de melhor: lindos vestidos com saias em várias camadas de tule fazendo volumes impecáveis. Uma bela coleção de Haute Couture!

Alexandre Vauthier 
Conhecido como o príncipe das fendas e dos decotes no mundo fashion internacional, é o estilista preferido das tops. Alexandre Vauthier provou mais uma vez, com seu desfile de Haute Couture, que sabe como poucos valorizar o corpo da mulher. Misturou peças banais do cotidiano, como short jeans com enormes e volumosas blusas/capas em tafetá. Vestidos curtos de couro metalizados, bordados, justérrimos com transparência em renda, brincando de esconde-esconde, mas aparecendo belíssimos. O tomara que caia em veludo preto, com transparência na frente e manga solta em plumas, fez a plateia suspirar!

É interessante observar como alguns estilistas que não fazem parte de grandes grupos financeiros têm uma liberdade de criação fascinante, como é o caso de Vauthier.

Givenchy

Ricardo Tisci se inspirou em mulheres do século XIX  no mais puro estilo vitoriano.

Vestidos ricos em rendas, bordados e plumas, linda coleção.

Elie Saab

Elie mais uma vez brilhou mostrando não somente um desfile deslumbrante de Haute Couture, como também um savoir-faire inconfundível em matéria de vestido de festa.

Maison Margiela

John Galliano, habituado a fazer verdadeiros espetáculos fashion surpreendentes, tanto nos cenários como nos looks para Haute Couture na época que era diretor artístico da Dior, mostra na Maison Margiela uma Haute Couture artesanal, moderna  mas com sua assinatura de rebeldia e contestação bem evidente.

Ralph & Russo

Como de hábito , vestidos de princesas desfilaram na passarela da Haute Couture de Ralph & Russo. Plumas, bordados, botões bijoux, drapeados… todos os elementos de um grande trabalho dos ateliês da marca estavam presentes, em looks estonteantes para clientes do mundo todo.

Jean-Paul Gauthier

O estilista nesta edição da Haute Couture, optou por um desfile bem mais informal, colocando calças largas e casacos bem cortados em tecidos nobres para desfilar com longos vestidos coloridos de cetim e detalhes bordados.

Até a próxima Haute couture!