Tags‘semana da moda paris’

Fashion week parisiense verao/19

Share

A semana de moda parisiense verão/19 começou forte, com três desfiles importantes no primeiro dia. Dior, um desfile lindo e poético em que o universo dança foi a inspiração na passarela que era a arena do hipódromo de Longchamps, modelos e dançarinos se misturavam fazendo movimentos lindamente sincronizados. Todas as referências fortes da maison estavam presentes nos looks e acessórios. Um grande momento de beleza.

Gucci -O diretor criativo Alessandro Michele ressuscitou a Gucci transformando peças vintages tipo baú da vovó, em verdadeiras peças de desejos. E não foi diferente neste desfile que apresentou com maestria o que sabe fazer de melhor: misturar estilos, materiais, passado/presente criando um grande momento fashion. O Le Palace, a famosa casa noturna dos anos 80 em Paris, foi o palco do desfile ao som da grande Jane Birkin. Os fashionistas foram ao delírio. Lindo!

Jacquemus, estilista extremamente talentoso, mostrou uma moda chique cool, cheia de sol, energia e decotes. O desfile intitulado “La Riviera” foi um momento ensolarado que encantou a todos. A bolsa gigante de palha desfiada, substituindo os grandes chapéus de palha estavam lindas assim como as mini bolsas, uma graça. Bravo!

O que estava sendo mais esperado era a estreia de Heidi Slimane como diretor artístico da Celine. Sem assento por gentileza, o desfile lindo foi uma homenagem a noite parisiense, modelos como pássaros negros noturnos, vestidos deliciosamente curtos e brilho. Uma mudança radical no estilo da marca que fazia uma moda mais conceitual com um toque intelectual para mulheres mais “cool”. O mais interessante é que no final do desfiles os fashionistas tiveram a impressão de ter  visto um desfile da maison Saint Laurent, ups!

E por falar em Saint Laurent, o desfile foi mais uma vez deslumbrante, embaixo da torre Eiffel com coqueiros iluminados em prata contornando a passarela que foi pintada de preto e com água, dando a impressão de espelho.Os looks maravilhosos, sedutores, ousados na medida certa,  modernos; a mulher Saint Laurent é jovem, chique, descolada e adora um decote profundo. Rsrsrs

Outro desfile que surpreendeu muito, foi o da Balenciaga. O cenário era um túnel com projeção de imagens coloridas em 3D com os trabalhos do artista Jon Rafman. Os looks desta nova coleção são  mais comerciais, com volumes bem mais calmos e proporções interessantes mais justas aumentando nos ombros, nada de tênis, sacolas de plásticos e looks estranhos, cores fortes e lindas.

O desfile da Givenchy apostou no “no-genre” (ou sem gênero), modelos com maquiagens andróginas  e uma elegância descomprometida realçando mais ainda a beleza dos looks, dos materiais usados, a silhueta. Clare Waight Keller, diretora da maison, sabe como falar com  mulheres fortes. Bravo!

Valentino mais uma vez mostrou que o luxo moderno, autoral passa pelas mãos da maison, Pierpaolo Piccioli, diretor artístico da maison, criou uma coleção de vestidos que pareciam vindos de um livro que conta a história de um paraíso. Deslumbrante!

A Balmain colocou seu exército na passarela com muito branco, plissados, amarrações, modelagens amplas e mais arredondadas, alguns tops de metal tudo muito anos 80. Claro que foi um desfile lindo com uma coleção maravilhosa como vocês podem ver pelas fotos. Um detalhe chamou a atenção dos fashionistas: no dia seguinte do desfile da Balmain, Thierry Mugler, o grande estilista dos anos 80, estava indignado em sua conta Instagram dizendo que Olivier Rousteng copiou peças icônicas deles, como o bustiê de metal, o smoking preto e branco com gola assimétrica… No final do dia já tinha retirado o post, mais ficou a sensação de cópia. Ups!

Alexander McQueen desfilou uma mulher cheia de atitude, poderosa que não tem problema nenhum em mostrar poder e bom gosto. Looks maravilhosos, inusitados com detalhes de modelagem que são uma verdadeira aula de como fazer moda, sem falar nos vestidos decotados e bordados, deslumbrantes.

Em um cenário super francês, o museu do Louvre, a Louis Vuitton veio com um clima mais futurista, com mangas largas e com plissados que lembram uniforme de astronautas, muita estampa colorida, e peças bem comerciais. Bem bacana.

Como uma onda no mar… Era esse o clima do desfile da maison Chanel, no Grand Palais, em Paris, que virou um balneário hiper chique com mulheres desfilando na areia com as ondas do mar batendo nas pernas, sapato nas mãos e looks podres de chiques, como se tivessem saído de uma festa poderosa e decidiram dar uma volta na praia antes de ir para o hotel, com direito a salva-vidas gato e tudo. A coleção rica cheia de tweed colorido, casacos com bordados e vestidos de festa. Uma coisa que todos observaram no final do desfile, é que o kaiser Karl Lagerfeld não usa mais os icônicos óculos escuros, só de grau.